quarta-feira, 24 de junho de 2009

Liberdade a 2.


O próprio nome diz:

Liberdade: Estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. Independência, autonomia.

Antes de qualquer coisa, me diga:

Como você iniciou a sua vida antes de conhecer certo alguém que no qual se relaciona?

Desde que me conheço por gente, vivenciei relacionamentos, até meus mesmo, onde do nada se tornavam uma “prisão”.

Por que no início tudo são flores, passeios deliciosos, amigos por perto até que de repente surge uma redoma de vidro poupando de tudo e todos?
Dar um de João Sem Braço nessas horas é ridículo!
Tudo por:
Ciúmes? Cismas? Paranóias?
Sei não!
Só sei que apontar o parceiro como um apoio em sua vida é mesmo vazio.
Demonstrar sentimentos bons é uma dádiva.

Só sei que já senti na pele como é me afastar de meus amigos por conta disso e do nada quando mais precisei, percebi que eu estava quase sozinha.

Mas, nunca é tarde para recomeçar e menos tarde ainda para rever pensamentos e atitudes onde possam ajudar na vida a dois.

Fazer de uma relação uma prisão, não rola.
São 8 ou 80, confia ou não confia.

Ser irônico com o destino é algo que não tem hora nem chegada.

Mas, ser sincero, sem ter por que temer é muito saudável e recomendado.

É bom também, sorrir com pessoas sem ser aquela que vive com você um relacionamento amoroso de vez em quando.
É bom poder contar casos sem ter restrições no que pode, deve ou não falar.
Isso é ter a independência, é viver cada um a sua via dentro dessa relação.
Ir a um local acompanhado ou não, de boa, sem motivos para D.R. (Discutir Relação).
Nada como respirar o ar apurado, cruzar o olhar com o seu amor sem medo de dizer:
Estou indo ali.
Assim, pelo o que percebo, é mais gostoso.
“A base da sua vida é a liberdade”.

Liberdade, “nem sempre” é “crime”.

Depende do seu taco, sacou?


(Sabrina Receputi)

Nenhum comentário:

Postar um comentário