quinta-feira, 15 de abril de 2010

Isso é uma cena?






O mundo dá tantas voltas, mas são tantas palavras perdidas, soltas no ar que me perco no meio dessa multidão.
O universo às vezes parece tão pequeno perto de mim mesmo, seria possível?
Sim, sei que seria, mas eu abro os olhos e percebo que muitas vezes, eu estava ou ainda estou sonhando. Talvez esteja na hora de acordar, apertar o botão vermelho, conectar com o mundo, com o Planeta Terra.
Ouço às vezes alguém no mundo a me chamar...
Sinto uma mão a me puxar desse buraco, desse túnel, pois o que eram flores, agora é vício.
O que me prende?
Quem está a me chamar? Se identifique!
Sim, espere! Estou acordada e ouvindo tudo.
Relaxa! Ser paciente não é ser tolo.
Mas o tempo está passando, eu sei.
Eu já estou indo, não precisa gritar comigo!
Acredite.
Ops! Eu é quem tenho que acreditar, pois as “leis” estão loucas, misturadas e só sinto a da “ação e reação”.
Em que anos estamos?
Quanto tempo se passou desde em que vetaram os meus olhos?
Quem sou eu?
Eu estava congelada?
Saquei! Isso é uma cena de um filme aonde as séries vão só seguindo sem um final?
Hum, eu fui abduzida?


Enfim, estradas são seguidas... Encontram-se e se separam.



(Sabrina Receputi)