sábado, 26 de junho de 2010

"X" da questão



Sinto que em uma viagem no espaço sideral é possível conter todos os desejos em um só momento, como um objeto não identificado tudo vai criando uma lógica, mas de maneira doce e em formato de uma canção.

Quando do nada se pega um lápis e começa a decifrar palavras e mais palavras, aos poucos faz surgir essa melodia onde se conta à história que quiser contar e com o tom que achar correto e adequado naquele momento.
É dizer tudo!
É poder brincar com as palavras como um ping e pong, é poder sofrer com letras que arranham os olhos de quem lê essas frases, é poder sorrir a face de um palhaço com um belo nariz vermelho, como também é poder apaixonar aquele coração frágil.
É mostrar caminhos e portas.
É tão bonito apertar o play e sentir essa canção delicada onde as notas soam como uma flauta doce.
Mostrar o caminho do mar com a luz do amor iluminado por um anjo seria algo perfeito!
Dizem que no meio de nós existem anjos só que sem asas e eu não duvido.
Em cada um existe um anjo, existe um coração, existe uma flor, existe um espinho.
Sonhar com o que deseja ser é algo que faz parte e quando não há expectativa de vida, basta pedir para nascer de novo já que esse não é a sua hora, quem sabe de repente pode ser o outro e deixar isso de lado.
Um bom pensamento faz do amanhã muito mais saudável!
Fazer tudo ou quase tudo por nada seria acreditar demais em Papai Noel e ignorar a essência do amor próprio.
Quando a vontade é maior, a chance também é maior.
Acredito que tudo tem há sua hora mesmo... O segredo do saber é perceber ao redor aquilo que realmente acontece sem deixar a distração tomar posse dos olhos desfocados.
Mentir é questão de ser fútil e viver de maneira fácil é não ter noção do peso de pisar com precisão nesse solo seco, rígido e rachado por causa da seca nesse ser frio e opaco.
Lindo é ser lindo!
Falar com cuidado, observar um sinal silencioso e totalmente escandaloso.

Seguir com perguntas e respostas é o “x” da questão.

Ter paz é ter calma.


(Sabrina Receputi)

terça-feira, 22 de junho de 2010

"lei da realidade"




Ouço pessoas dizendo: “Ah, eu vou mudar meu modo de ser, blah blah blah”.
Juro que eu olho, eu tenho o meu pensar sobre isso.
Alguém que tenha uma mania, um vicio, sim isso pode ser mudado. Agora, uma pessoa que carrega todo um jeito onde houve uma grande acomodação consegue mesmo?
Eu duvido que mude!
Ta no DNA, pois é algo que ta “cravado” na pessoa.
Palavras e palavras de mudanças surgem no ar como pássaros desesperados por uma novidade, promessas deixam até de serem sérias, pois nunca são cumpridas. Um “ser” tem que carregar uma bagagem de natureza, ter um bom papo, ter limites, ter educação, ter respeito para que obtenha o mesmo ao redor. Se tudo é artificial, o que se espera da vida? Se valorizar é algo tão bonito ainda mais hoje em dia. Saber à hora da chegada e da partida, saber medir palavras, saber guardar segredos, saber impor e saber se expor é de se elogiar. Se não contém esse pacote interno é o que eu sempre falo: “Esta no "DNA".
E quando uso essas palavras é porque para mim é algo incapaz de mudar. Não que seja impossível, mas teria que trabalhar muito isso e muitos tem preguiça de se quer tentar.
Bom, cada um com o seu cada um, num é mesmo?
Chega a me dar pena observar que é tudo tão vago quando se refere a possíveis mudanças que a gente sabe que não irão acontecer.
Ter noção não é só ser legal, ser amigo não é da noite para o dia onde se abre sobre a própria vida.
Quem acha isso legal?
É talvez quem seja assim, afinal nunca percebe essaa "lei da realidade".



(Sabrina Receputi)

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Cíclo da vida




Semente que faz brilhar uma linda flor.
Pétalas de cetim envaidecem o meu jardim.
Coração vermelho em esplendor bate junto com o mais perfeito tambor.
Danças criam um ritmo da alegria, passos que pelas ruas seguem a sapatear.
Com um olhar se observa o mundo.
Confetes enfeitam todas as curvas das montanhas, aviões representam um belo pincel onde fazem surgir um perfeito arco Iris a cintilar no céu.
Quantas cores! Quanta simpatia!
Bandeiras em verde e amarelo representam o meu país, mas que satisfação, meu Deus!
Quanta certeza, quanta incerteza! Quanta crueldade, quanta beleza!
Sinal de que vivemos em um mundo mestiço.
Liberdades de expressões arrastam multidões ao descer o pelourinho.
Da cevada o samba surge embalando o nosso Carnaval em pleno Rio de Janeiro e dos meus pés retiro o sapato que até então, parecia tão apertado.
Quanta estrada para caminhar, quanta terra para pisar, quando asfalto aquecido desse sol, está tudo tão molhado por causa do temporal.
Frios aquecem o imaginário daquela criança sentada de madrugada sem ter o que vestir.
Palavras consolam aquela moça que acabou de perder o seu amigo maior.
Abraços incomparáveis de glória rolam por aí!
Temos muito que aprender e viver!
Quanta coisa acontece em um só dia, quanta coisa se perde em um segundo.
Quantas lágrimas já rolaram aquele rosto?
Quantas felicidades já sorriram por aí?
Quantas coisas escapam sem o olho ver?

É, e ainda resta a esperança de seguir em paz e livre.

Observar cada gesto, cada tiro, cada político, cada paixão... Tudo faz parte da vida e é muito bom viver tudo isso com os pés no chão para ensinar em um amanhã muito próximo para uma nova semente que germinara.

Assim, é o cíclo da vida!



(Sabrina Receputi)

domingo, 20 de junho de 2010

Só não vale ter falta!




Olhar nos olhos e sentir um frio ardendo de vontade de estar cada vez mais perto é literalmente um perigo!
Perigo que só se tem perigo se deixar isso tomar conta do espaço que até então está fechado.
Fechado não por querer e sim por não ser um momento propício ou atitude certa. Em um jogo, todos em campo só entram com a intenção de ganhar e não jogar para ganhar seria covardia.
Então, o melhor é ficar na sala de estar esperando a hora do chamado e agir de verdade se tiver que agir, com cautela, com desejo e sinceridade.

Sem essa de aflição!

Dá mesmo um nervoso muita coisa que a gente vê por esse mundo a fora, mas de que adiantaria denunciar essa coragem?
Muitos pagam para ver nessa vida por muitas coisas e esquecem talvez que em cada ser existe um coração que bate tranqüilo, mas que em algum momento ele pode bater muito mais forte, incapaz de ser desacelerado e derrubando fronteiras para ser vivido.

Aí eu penso, como seria?

É não sei não!

Atração, desejo, palavras que podem se tornar envolventes mais e mais... Complicado não?

Não se tem explicação para quando dois corpos contêm a tática da vontade em campo.

Nesse campo só restam àqueles dispostos por ganhar o jogo que até então o juiz apitou dando o início da partida há muito tempo...

Só não vale ter falta!

(Sabrina Receputi)

Esperar é ter calma...



Um vento frio a queimar a pele, resseca o asfalto dos sonhos que poderiam se perder, mas uma chuva de esperança molha o rosto e cala toda essa voz que um dia foi teimado em ser ouvida. Que voz é essa? A do medo!
A noite cai e com ela se facha os meus olhos em busca do que estar por vir, levando ao desafio do amanhã. Que desafio é esse? O de seguir...
Palavra que faz sorrir, sentimento que só se tem quem consegue sentir com o coração.
Interessante toda essa calma, toda essa fúria. Como "arroz e feijão" que não são quase nada separados, não se podem seguir sem a "fé" no que há de ser.
Muito tranqüilo focar no que revela a felicidade. O que revela a felicidade? Ah, sorria.
Pense em colorir a tinta que colore esse sorriso, um toque.
Acreditar em algo melhor é buscar por uma resposta vibrante consigo mesmo com relação ao “se entregar de corpo e alma”.
Ter a consciência de que é uma boa pessoa, já basta!


Esperar é ter calma e é não ter pressa, acredita?
Sem essa de contar as horas, de rodopiar sem rumo.


“Partir, andar... eis que chega, essa hora tão sonhada”


(Sabrna Receputi)