domingo, 16 de janeiro de 2011

"Bem querer"




Existem ritmos que embalam a vida em um passe de mágica, existem letras que tocam profundamente uma saudade sentida de maneira leve, suave e faz do coração um pássaro com lindas asas, pronto para voar de encontro ao que há de belo nessa vida sendo o “bem querer” que o faz sorrir sem limite.


Existem vontades que por mais discretas que sejam, existem e só delas existirem, já é um grande sinal.

Dizem que tudo nessa vida tem um limite, sendo assim, para que passarmos da conta?

Mas, é muito bom fazer valer, fazer não pensar em distancia e sim em calmaria eterna nos braços de um “lhano” amor.

Hoje em dia, muitos fazem das palavras ditas irreais, sabendo que é da boca para fora, só para iludir.

Pagar para ver é um desafio com a própria capacidade, é deixar o próprio coração ser aventureiro.

Palavras podem ser ditas a qualquer hora, podem ser expressas em qualquer sentido, mas quando que essas palavras se tornam críveis?

Muito fácil observar pessoas que vivem de encontro ao desamor, é de tirar o chapéu para tamanha coragem de pensar só em quantidade e não qualidade.

Quando se sente o que se fala, pouco importa o restante e isso se torna luzidio, basta olhar profundamente nos olhos.

Já diz um trecho de uma música: “... mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira”.

Torna-se primordial admirar a beleza de um encanto, que faz do canto de uma sereia o mais perfeito dos mares que refrescam os grãos de areias.

O que acontece na vida de cada um, ninguém sabe, mas nós sabemos o que nos faz flutuar e passearmos por entre as nuvens da paixão.

Esse fogo que queima o coração faz do calor, uma brasa faiscante.

Tarde ou cedo, nunca se deve deixar de dizer que é uma dádiva amar de maneira afável, sem pressa.

Tudo de bom, coisa de pele quando se trata de desejo árduo.

Em momentos onde tudo parece sair do eixo, não tem porque exaustar o que pode ser corrigido em quietude plena.

Se deixar, as palavras não terão um final por aqui, mas agora pensem vocês e administrem bem o coração...

Vamos lembrar do jogo do amor.



(Sabrina Receputi)


Nenhum comentário:

Postar um comentário