sábado, 22 de janeiro de 2011

"Quando a gente menos espera...'

Quando a gente menos espera, uma notícia pode escurecer o sol que reinava nesse céu azul, apagando a alegria que estava a brilhar Junto desses raios solares.


Uma perda deixa o semblante apagado e faz das lágrimas, uma onda de tristeza. O interessante é que temos a certeza de que tudo nessa vida é passageiro.

Nada como o dia que se passa e dorme junto dessas lágrimas...

O dia que nos acorda, pode ser o "grande dia", pode ser um grande recomeço tanto para quem pode estar partindo, como para quem ficou na estação esperando pelo próximo trem.

Lembrar de um “quebra-cabeça”, do tempo em que ele era completo, deixa no ar um grande barulho, sendo uma forte batida dentro do peito, como um desabafo de um coração sombrio, ecoando e apertado por toda a parte do nosso interior.

Relembrar uma saúde esperta deixa os pensamentos desnorteados, perambulando pela noite, como um cão sem dono.

Como um filme guardado na memória e em fotografias, uma vontade de reviver cada momento arquivado nesse tempo, "revê" com carinho tudo o que um dia foi e se foi.

Quem não se lembra do tempo em que era uma criança e, ia para a casa dos avôs brincar?

Quem não se lembra do “Papai Noel” visitando a nossa casa enquanto dormíamos?

E quando a gente recebia mesada só por sermos bons meninos?

É... A vida passa e com ela as lembranças nos atormentam ou nos acalmam.

Quando um anjo nos deixa e se vai de encontro ao seu novo mundo, um buraco reina em cada um que se sente perdido por estar ficando, mas depois de alguns dias, surge um manto sereno que nos cobre e nos acalma, deixando a certeza de que esse anjo está em boas mãos.

Hoje estamos aqui, amanhã não se sabe...

Hoje “eu” digo que te espero... Amanhã você pode estar me esperando...

Com luz no coração, uma força tamanha nos enriquece e nos faz acreditar que os anjos sempre estarão ao nosso lado, mesmo que a "milhas e milhas" de distancias.

Vamos sentir as energias positivas que nos preenchem de amor, e nos enriquecem de paz.



(Sabrina Receputi)

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Como se fosse a primeira vez...

Como se fosse à primeira vez, os olhos se “embriagam” com esse encantamento árduo e desenha no céu da boca, palavras que brilham mais que lindas estrelas cadentes.


Seja onde for e como for, faz bem fazer dos dias que ainda estão por vir, sempre uma nova conquista, pois faz do coração uma palpitação vagarosa.

Estar ao lado de quem se ama, arranca suspiros mais doces que inúmeros “suspiros” de uma confeitaria.

Não pensar em nada a não ser conquistar mais e mais a cada dia, já faz parte dos planos de quem está pronto para muito mais. É gostoso fazer dos encontros como se fosse sempre a primeira vez, com aquela energia que só quem faz acontecer, sabe.

Formar palavras bonitas não basta e nem firma uma relação, mas que isso aflora lindos momentos juntos, isso é fato!

Uma vontade de gritar, de sair correndo sem direção, sorrir sem um “stop”, é o que faz dos dias mais aventureiros, mais saudáveis, pois não é uma simples paixão, pois se fosse, já era para ter dado linha a muito tempo.

A gente sente quando é amor, a gente absorve os sinais que um simples gesto faz surgir no espaço.

A gente sabe o que é amor quando do nada, tudo vira festa, tudo vira atitude e afeição.

Nada de rotinas atropelam essa estrada que está só começando, pois por essas curvas ainda "eis" de derrapar sem limites, tudo em busca de carinho e atenção.

O mais interessante é a reciprocidade que surge mesmo distante por alguns dias, a presença continua intacta.

Viver em paz com si mesmo, só faz do agora um paraíso para o amanhã.



(Sabrina Receputi)

domingo, 16 de janeiro de 2011

"Bem querer"




Existem ritmos que embalam a vida em um passe de mágica, existem letras que tocam profundamente uma saudade sentida de maneira leve, suave e faz do coração um pássaro com lindas asas, pronto para voar de encontro ao que há de belo nessa vida sendo o “bem querer” que o faz sorrir sem limite.


Existem vontades que por mais discretas que sejam, existem e só delas existirem, já é um grande sinal.

Dizem que tudo nessa vida tem um limite, sendo assim, para que passarmos da conta?

Mas, é muito bom fazer valer, fazer não pensar em distancia e sim em calmaria eterna nos braços de um “lhano” amor.

Hoje em dia, muitos fazem das palavras ditas irreais, sabendo que é da boca para fora, só para iludir.

Pagar para ver é um desafio com a própria capacidade, é deixar o próprio coração ser aventureiro.

Palavras podem ser ditas a qualquer hora, podem ser expressas em qualquer sentido, mas quando que essas palavras se tornam críveis?

Muito fácil observar pessoas que vivem de encontro ao desamor, é de tirar o chapéu para tamanha coragem de pensar só em quantidade e não qualidade.

Quando se sente o que se fala, pouco importa o restante e isso se torna luzidio, basta olhar profundamente nos olhos.

Já diz um trecho de uma música: “... mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira”.

Torna-se primordial admirar a beleza de um encanto, que faz do canto de uma sereia o mais perfeito dos mares que refrescam os grãos de areias.

O que acontece na vida de cada um, ninguém sabe, mas nós sabemos o que nos faz flutuar e passearmos por entre as nuvens da paixão.

Esse fogo que queima o coração faz do calor, uma brasa faiscante.

Tarde ou cedo, nunca se deve deixar de dizer que é uma dádiva amar de maneira afável, sem pressa.

Tudo de bom, coisa de pele quando se trata de desejo árduo.

Em momentos onde tudo parece sair do eixo, não tem porque exaustar o que pode ser corrigido em quietude plena.

Se deixar, as palavras não terão um final por aqui, mas agora pensem vocês e administrem bem o coração...

Vamos lembrar do jogo do amor.



(Sabrina Receputi)