sexta-feira, 18 de maio de 2012

Devaneios

Devaneios tolos me rodeiam
Frios e levianos como o inverno
Sem cor, sem cheiro de tão comum
Insanos, como uma terça qualquer
Nas asas de um pássaro
O tempo passa vagarosamente
No corpo de um avião
Uma adrenalina corre
Em um copo de vinho
A cabeça pensa suave
Em um gole de cerveja
O desabafo transborda
Somos assim!
Vivemos por conta dos dias que se vão,
Seguindo juntos das horas vazias
Que em meu peito, fazem "tic tac"
Basta amanhecer
Para tudo acordar
Para tudo se esquecer
Para tudo passar...



(SR.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário