terça-feira, 7 de agosto de 2012

Como seria...

O feto brota
O feto cresce
O afeto, afeta
O feto desce.
Nasce na fúria do viver,
Falece sem saber por que.
Se descobre em um paraíso qualquer
Se perde em busca de uma conquista
Segue em frente, rumo ao destino
Em busca apenas de um jardim pra morar.
Nunca se sabe do amanhã
Tudo se sabe do ontem
Tudo parece se abrir
Mas tudo se fecha.
Às vezes o mundo gira devagar
Quase sempre girando ao contrário
A realidade as vezes faz pensar
Quem sabe em apenas imaginar
Como seria nascer de novo.



(Sabrina Receputi)

Nenhum comentário:

Postar um comentário